Home / Mitos e Lendas / O Povo Escondido – Orang Bunian (Malásia)

O Povo Escondido – Orang Bunian (Malásia)

É interessante como vez por outra acabo caindo em algum assunto que tem a ver com florestas ou montanhas. Acho que é porque desde muito tempo atrás as florestas já desempenham um papel importante para a criação de mitos, lendas, mistérios e segredos. Outro ponto interessante é a quantidade de lendas e mitos que vem do lado oriental do nosso planeta, como é o caso do texto de hoje.

Nas florestas da Malásia, Bornéu e Indonésia existe a crença de que existem seres de uma raça que é de outra dimensão. Eles são os Orang Bunian, mas também conhecidos como “O Povo Escondido“, “Povo da Luz” e também de “Povo do Apito“. E são chamados assim porque eles assobiam de maneira sinistra, gritam ou cantam pela floresta.

De acordo com os relatos, esses seres tem aparência humanoide pálida e são extremamente bonitos, com rostos sem rugas e se vestem como seres humanos comuns.

Atribui-se ao “Povo Escondido” uma série de poderes sobrenaturais como: teletransporte, leitura da mente e invisibilidade. Dizem também que só quem tem o dom da visão espiritual pode vê-los. Eles vivem dentro das árvores, nas florestas mais afastadas e em altas montanhas. Além disso, uma outra característica é que eles tem uma sociedade com uma ordem real, com reis, rainhas, príncipes e até camponeses.

Aparentemente eles são indiferentes aos assuntos humanos, mas podem ser hostis caso seu território escondido seja invadido ou ameaçado, e quando isso acontece é preciso fazer alguns rituais e ofertas para acalmá-los. Eles também são conhecidos por ajudar pessoas que estão perdidas, e em alguns casos já se apaixonaram e até casaram com seres humanos (um detalhe aqui: os bebês frutos destes relacionamento supostamente nascem invisíveis).

É claro que para nós, tudo não passa de folclore e lendas, mas para os habitantes dessas regiões essas criaturas são muito reais e existem vários e vários relatos de encontros com esses seres misteriosos.

Um relato que pode ser lido no site Hungzai, conta a história de uma pessoa cujo avô teve um encontro com um desses seres na década de 1970. Ele teria comprado uma plantação ao sul do lago Toba (em Sumatra, Indonésia), e logo que ele se mudou começaram a acontecer várias coisas estranhas.

Segue abaixo uma parte do relato:
Ele observou que havia algum tipo de celebração ou reunião de oração toda quarta-feira à noite em frente a sua casa. Embora não tenha visto ninguém, concluiu que deveria ser isso, pois, precisamente às seis e meia, ouviu o som de tambores. Esse som durou cerca de meia hora, e então parou tão repentinamente quanto começou.

Ao conhecer melhor a plantação, sua curiosidade sobre esses tambores foi se aprofundando. Ele sabia que não haviam casas ou edifícios no vale em frente à sua casa. Na colina além do vale também não haviam casas ou outros edifícios. No entanto, toda quarta-feira, os tambores pareciam vir de algum lugar muito próximo. Finalmente, com o maior tato possível, ele perguntou a alguns de seus assistentes o que era o som e de onde estava vindo. Eles apenas sorriram para ele e disseram: ‘Itu orang Bunian’ (é o povo de Bunian).

Havia um assistente (Jamal) que era mais próximo dele. Meu avô perguntou-lhe o que essas pessoas de Bunian eram. Jamal respondeu que eles eram pessoas invisíveis, um pouco semelhantes aos gnomos e fadas do folclore ocidental. Eles gostavam de viver perto de seres humanos e às vezes ficavam amigáveis ​​com alguns deles. Havia histórias sobre como alguns machos humanos se casaram com fêmeas de Bunian e foram aceitos na comunidade de Bunian. No entanto, eles se tornaram invisíveis para outros seres humanos assim que entraram na comunidade de Bunian.

Ele perguntou a Jamal como ele poderia provar que os tambores eram tocados pelos Orang Bunian. Ele respondeu que, em uma quarta-feira, dois outros assistentes decidiram descobrir de uma vez por todas de onde o som vinha. Armados com tochas e longas facas, eles procuraram a fonte do som assim que ele começou. Eles desceram todo o caminho até o vale e viajaram até uma certa distância na colina do outro lado, e ainda assim o som parecia estar vindo de uma pequena distância na frente deles. Como já havia escurecido, eles abandonaram a busca e voltaram para casa. Estou convencido de que eles existem, pois ouvi suas histórias em todos os lugares e como meu falecido avô contou a história dele para mim.

Existem casos de desaparecimento de humanos que são atribuídos a este povo, um dos mais famosos e conhecidos é o desaparecimento de Mohd Khairi Abdul Ghani, de 15 anos que caminhava em Gunung Tebu, na Malásia e desapareceu. Durante 5 dias várias equipes de busca vasculharam toda a região em busca do garoto, mas ele não foi encontrado. Um certo dia ele apareceu do nada, vestindo apenas uma toalha e olhando para rio num estado meio que catatônico. Ele contou para quem o encontrou que tinha visto as pessoas procurando por ele, mas mesmo gritando muito, parecia que ninguém podia ouvi-lo.

Existem outros relatos sobre desaparecimentos temporários com as mesmas características deste, e interessantemente, também existem inúmeros relatos de desaparecimentos temporários em outros lugares do mundo. Será que existe uma conexão? Por mais que os contos sobre estes seres pareçam para nós mitos e folclore, para os habitantes dessas regiões não é bem assim, eles realmente acreditam nisso e os relatos de avistamentos continuam acontecendo. Mas o que seriam essas coisas? Fantasmas? Espíritos? Uma civilização perdida? Viajantes do tempo? O que você acha?

Veja também

O Vampiro de Croglin Grange

Conhecemos em várias culturas as antigas histórias que falam de seres ou criaturas que voltam …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Powered by themekiller.com