Home / Lugares / Templo Padmanabhaswamy (Índia)

Templo Padmanabhaswamy (Índia)

Todos os dias eu faço pesquisas na internet buscando achar assuntos novos e interessantes para publicar neste blog, e são raros os dias que no meio dessas pesquisas não aparece algo relacionado a Índia. O que trago aqui hoje é sobre este templo que muita gente já ouviu falar a respeito, principalmente por causa de uma determinada porta que até hoje não foi aberta, e que pode (e provavelmente deve) abrigar uma quantidade incalculável de tesouros. A ideia aqui também é falar um pouco mais sobre o templo e algumas curiosidades sobre este que é uma das 108 residências sagradas do deus Vishnu.

O templo

Acredita-se que o templo foi construído por volta do século 6 dC, mas informações concretas são desconhecidas até hoje. Os reis de Travancore foram fazendo modificações no lugar por mais 10 séculos e a família real seria descendente do santo Kulashekhara Alwar.

Vishnu e o sábio Divakara

Uma das histórias do templo conta que o sábio Divakara Muni recebeu uma visita de Vishnu, que lhe apareceu em forma de uma criança. O sábio pediu ela ficasse com ele e ela concordou, desde que fosse tratada com respeito, e se isso não fosse feito, ela desapareceria. O Deus se comportou pessimamente, mas Divakara era muito calmo e tolerante. Um dia no entanto, sua paciência acabou e ele repreendeu a criança. Vishnu desapareceu, mas antes avisou que se por acaso Divakara quisesse vê-lo novamente, poderia ser encontrado em Ananthankaadu. Com essa observação, Divakara percebeu e acabou descobrindo a verdadeira identidade daquela criança.

Arrependido pelo que tinha feito, ele seguiu em busca da criança. Durante o percurso ele fez uma pausa em uma área perto da costa do mar. Ali ele viu a criança sumir perto de uma árvore. A árvore acabou caindo e dela surgiu Vishnu reclinada na cobra Anantha. Mas a forma em que Vishnu apareceu era exageradamente grande e não podia ser vista por completo, então Divakara orou para que Vishnu encolhesse um pouco, para que ele pudesse ver sua forma inteira. Vishnu acolheu sua oração e diminuiu para um tamanho que pudesse ser completamente visto. Padmanabhaswamy foi construído em torno dela.

Reino de Travancore

Em 1729, o Reino de Travancore foi fundado por Marthanda Varma. Além de uma grande reforma (devido a um incêndio que destruiu boa parte do templo), Marthanda Varma também criou os festivais de Murajapam Bhadra Deepam. O Murajapam (cantar contínuo de orações”), ainda é realizado a cada seis anos.

Em 1750, o reino foi dedicado por Marthanda ao Senhor Padmanabha (a forma que Vishnu assumiu no templo). Ele jurou que a família real governaria este reino em nome desta divindade.

Hoje em dia o reino não existe mais, mas Moolam Thirunal Rama Varma assumiu o título de marajá de Travancore.

Deuses no templo

Como já contado acima, Vishnu pode ser visto no templo, reclinado sobre a serpente Anantha. De seu umbigo surge um flor de lótus, onde Brahma (criador do sanatana Darma) está sentado e um Shivlingam (destruidor do sanatama darma) está sob sua mão direita. Esse conjunto representa a criação, conservação e destruição do mundo.

As duas esposas de Sree Padmanabhaswamy, a Deusa Sridevi (Deusa da Riqueza) e a Deusa Bhudevi (Deusa da Terra) estão representadas a seu lado.

Riqueza do templo

Em 2011, Padmanabhaswamy ganhou a fama de ser o templo mais rico do mundo e isso começou quando um oficial aposentado (Sundarajan) entrou com uma petição na Suprema Corte para que fosse feito um levantamento sobre o tesouro escondido no templo. Ele acreditava que a família real estava abusando da riqueza ali guardada.

A Corte concordou com a petição e autorizou as autoridades a abrirem as câmaras do templo. Quando as autoridades começaram a trabalhar, descobriram 6 enormes abóbadas secretas que foram nomeadas simplesmente como A, B, C, D, E e F. Em um relatório posterior, feito em 2014, foram descobertos mais 2 depósitos que passaram a ser chamados de G e H.

As portas de acesso a essas áreas secretas eram feitas de ferro e para abri-las não foi necessário muito esforço. Era comum a abertura das portas C a F pelos sacerdotes do templo, o que facilitaria a identificação dos itens, e as portas A e B seriam abertas pelas autoridades para o inventário dos artigos.

O que estava ali guardado, era muito além do que todos imaginavam. Quantidades enormes de sacos cheios de antigas moedas de ouro, diamantes, pedras preciosas, colares de ouro, diamantes e outras dezenas de riquezas.

Os portais do cofre B permanecem trancados até hoje, mesmo tendo sido feitas várias tentativas de abertura. De todos os seis, acredita-se apenas o B não deva ser aberto, pois traria consigo uma maldição. Essa crença se fortaleceu ainda mais quando Sundarajan morreu exatamente 1 mês após a abertura das primeiras portas.

O que foi recuperado dos cofres

  • Cofre A – 102.000 objetos.
  • Cofre B – não foi aberto.
  • Cofre C – 1.469 objetos.
  • Cofre D – 617 objetos.
  • Cofre E e F – 40 objetos.
  • Cofres G e H – não abertos ainda.

Artigos mais notáveis que estavam guardados:

  • Estátua de 3 metros de altura de Vishnu feito de ouro puro.
  • Milhares de potes de ouro.
  • Três coroas cravejadas de diamantes, rubis, etc.
  • Moedas de ouro pertencentes ao império romano e até a era napoleônica.
  • Véu de 36 quilos de ouro.
  • Um feixe de ouro pesando 500 quilos.
  • Correntes feitas de ouro puro. Um deles era de 18 pés.
  • Um trono completamente feito de ouro puro, destinado ao ídolo de 5,5 metros. Além disso, ele estava adornado com muitas pedras preciosas.
  • 800 kg de moedas de ouro que datava de 200 aC. Cada moeda vale aproximadamente 380.000 dólares.

Sobre a porta B

De acordo com as lendas, além da humanidade poder enfrentar uma enorme calamidade, dizem também que esta porta só pode ser aberta quando um santo de alto escalão recita o Garuda Mantra da maneira correta.

No templo, há um lugar chamado Mahabharatakonam, que fica no lado sudoeste, e é lá que estão as portas A e B. Segundo uma outra lenda, muitos semideuses e sábios tiveram permissão para ficar em um cofre orando ao Senhor Padmanabhaswamy.

A porta B é enorme, e tem serpentes gigantes entalhadas, além de um Yakshi, que parecem indicar que é perigoso tentar abrir a porta. Há mais de 100 anos atrás foi feita uma tentativa de abrir esta porta, mas quando as autoridades chegaram mais perto, puderam ouvir sons de ondas, como se o mar estivesse jorrando por trás da porta, então todos desistiram da tentativa.

Só havia uma pessoa que sabia o que poderia ser encontrado por trás da porta B, Uthradom Thirunal Marthanda Varma que era o chefe da antiga família real de Travancore, mas ele acabou morrendo em 2013, vítima de parada cardíaca.

Veja também

Passe uma noite na prisão mais assombrada da Inglaterra

Você sabia que existe uma empresa especializada em turismo prisional? A Jailhouse Tours é a …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Powered by themekiller.com