Bloody Benders, a primeira família de serial killers da América

A história

Em 1870, várias famílias se mudaram para a região da atual Cherryvale, Kansas (EUA). A maior parte desse novo grupo era de espíritas e os que já habitavam a região aceitavam todos os novatos sem questionar muito. Os Bender eram uma dessas novas famílias.

Assim que chegaram, pareciam uma família comum. John Bender e o restante de sua família foram morar perto da Santa Fe Trail. “Pa“, o mais velho reivindicou uma área de 160 acres e John uma área menor, vizinha a terra de Pa. A família também era composta de “Ma” e Kate (que se dizia médium e curadora espírita).

A família construiu uma casa e a dividiu em duas partes. Na frente uma pousada e uma loja e nos fundos, a residência da família. Os viajantes eram bem-vindos para tomar banho, fazer refeições e reabastecerem seus suprimentos antes de seguir viagem. Kate conseguia atrair mais alguns visitantes com suas supostas habilidades psíquicas e de cura. Os viajantes em sua maioria seguiam sozinhos, então costumavam passar a noite ali antes de seguir.

Desaparecimentos

A trilha que os viajantes percorriam era perigosa por si só e haviam várias razões pelais quais os viajantes podiam desaparecer no caminho. Durante os anos, mais e mais pessoas foram desaparecendo e geralmente demorava algum tempo até que esses casos chamassem a atenção, uma vez que naquela época as notícias viajavam lentamente. Mas isso mudou em março de 1873, quando um conhecido médico do Kansas (Dr. William York) aparentemente desapareceu depois de desembarcar em Cherryvale. Ele tinha dois irmãos poderosos (um coronel e um senador) e que estavam determinados a descobrir o que havia acontecido com ele.

O coronel York liderou uma investigação no condado e assim como outras famílias, os Benders foram questionados e negaram qualquer conhecimento a respeito do desaparecimento de York. Quando foi perguntada a respeito de uma mulher que havia sido ameaçada com pistolas e facas na pousada, Ma Bender defendeu-se dizendo que ela era uma “mulher má e perversa, a quem mataria se chegasse perto deles novamente”.

A queda dos Benders

No mesmo período, o município fez uma reunião na escola de Harmony Grove e os dois Benders do sexo masculino participaram. Os moradores da cidade decidiram que iriam realizar buscas pelos desaparecidos, mas o tempo na região ficou muito ruim e foram obrigados a esperar uns dias até que pudessem começar as buscas.

Como que por acaso, um vizinho percebeu que haviam muitos animais vagando pela propriedade dos Bender. Ele achou estranho e começou a investigar, quando percebeu que não havia mais ninguém lá. Mais tarde alguns voluntários foram até o local e perceberam que a carroça deles havia sumido, e também notaram que haviam sido retirados da casa apenas comida e roupas.

A casa estava completamente vazia e tudo parecia normal até que, atrás de uma cortina no quarto dos Benders alguém viu um alçapão. Este alçapão levava a um porão muito sujo, fedorento e cheio de sangue. Claro que todos ficaram assustados e então decidiram levantar a cabana e cavar o chão, mas nada estranho foi encontrado. Os vizinhos lembraram-se que o jardim parecia sempre estar arado e então sugeriram que a investigação se voltasse para lá.

Foi uma noite de trabalho pesado e os voluntários localizaram e desenterraram o primeiro corpo, que era de William York. Sua cabeça havia sido esmagada e a garganta cortada. As buscas continuaram e em pouco tempo encontraram mais corpos, com ferimentos parecidos. As contas oficiais diferem um pouco, mas desenterraram por volta de 12 corpos. No total, acredita-se que os Bender cometeram até 21 assassinatos.

Os métodos

Os investigadores posteriormente começaram a estudar o modus operandi do grupo e passaram a acreditar que eles agiam da seguinte maneira: Os hóspedes da pousada que tinham aparência de ricos eram convidados a se sentar perto da cortina e durante o jantar seriam atingidos na cabeça com um martelo ou algo similar, por trás da cortina. O corpo seria então jogado no alçapão, onde alguém da família o mataria e roubaria seus objetos de valor.

A respeito desta teoria, um homem se lembrou de quando passou pela pousada e se recusou a sentar perto da cortina. Ma Bender ficou furiosa e passou a tratá-lo mal, então dois homens saíram de detrás das cortinas e isso fez com que este homem e seu amigo resolvessem ir embora de lá. Um outro viajante, William Pickering contou uma história bem parecida.

A fuga da família

Os crimes se tornaram uma sensação nos jornais da época, atraindo muitos jornalistas e curiosos. Um livro publicado logo depois que os crimes foram descobertos, chamado “The Bender Hotel Horror” descreveu que “um grande número de pessoas chegou ao local, que tinham ouvido falar dos atos diabólicos e assassinatos“. A casa dos Bender foi desmontada parte por parte pelos caçadores de lembranças.

O senador York ofereceu uma recompensa de 1.000 dólares pelos Bender, e o governador ofereceu mais 2.000, mas a recompensa nunca foi reivindicada. Durante os anos seguintes, várias mulheres foram presas, mas nenhuma delas foi reconhecida como sendo Ma ou Kate. Alguns caçadores de recompensa afirmaram ter encontrado a família, mas também nunca mostraram nenhuma prova. Os Benders mais velhos foram vistos a caminho de St. Louis e os mais novos seguindo para uma colônia perto do Novo México, mas até hoje não se sabe o que aconteceu com eles.

Investigações

Certamente as investigações foram prejudicadas por alguns motivos, primeiro, nenhum Bender era realmente um Bender. “Pa” na verdade seria John Flickinger, “Ma” provavelmente seria Almira Meik, Kate seria Eliza Griffith e o nome verdadeiro de John Bender provavelmente era John Gebhardt. Além disso, John seria marido de Kate e não seu irmão.

Atualmente não há nada que possa indicar a localização de onde um dia foi a residência dos Bender. Muitos rumores ainda envolvem o caso, mas provavelmente nunca vamos saber o que realmente aconteceu com essa família que acabou ficando conhecida como os “Bloody Benders”.

Veja também

Big Nose George, o homem que acabou transformado num par de sapatos

Big Nose George Parrott foi um ladrão, salteador e bandido que atuou no oeste americano …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *