Home / Estranho e Extraordinário / A Estranha Visita de Dadaji

A Estranha Visita de Dadaji

Você acredita que é possível uma pessoa estar em dois lugares diferentes ao mesmo tempo? Já vimos cenas assim em livros, séries e filmes e embora pareça completamente sem sentido, um caso desse foi relatado por dois conhecidos parapsicólogos em 1975.

Em 1970, o Dr. Karlis Osis e o Dr. Erlendur Haraldsson, estavam em visita a Índia com a intenção de estudar os homens santos daquela região. Eles ficaram particularmente muito interessados em Dadaji. Dadaji, um comerciante considerado sagrado, tinha um grande número de seguidores na região sul da Índia.

Enquanto estudavam os milagres associados a Dadaji, os dois parapsicólogos descobriram essa história: No início de 1970, Dadaji visitou Allahabad, que ficava a aproximadamente 640 km de distância da sua casa, e quando lá chegou, ficou hospedado na casa de uma família local. Durante sua permanência, saiu para meditar e, posteriormente, contou a seus seguidores que tinha viajado ao mesmo tempo para Calcutá. Ele chegou a falar para a sua anfitriã que ela podia confirmar a história se entrasse em contato com sua cunhada, que morava em Calcutá. O homem santo também deu o endereço da residência para onde havia se projetado.

A família que morava na casa confirmou que era verdade a incrível história de Dadaji. Roma Mukherjee, sua discípula, contou que estava lendo um livro na sala, quando Dadaji surgiu bem na sua frente. A princípio ele estava transparente, mas aos poucos foi se materializando. Com a sua aparição repentina, Roma ficou assustada, e chegou a gritar por ajuda para seu irmão e sua mãe. Enquanto isso, Dadaji apenas acenou para ela e pediu um pouco de chá. Quando criou coragem e voltou à sala de leitura com sua mãe e seu irmão, levando o chá, colocou o braço pela porta entreaberta e deu a Dadaji o chá e alguns biscoitos. A mãe de Roma chegou a ver o mestre pela abertura da porta. O irmão, que estava um pouco mais atrás, viu apenas a mão de Roma passar pela abertura e voltar sem o chá. Não havia nenhum lugar onde ela pudesse ter colocado a xícara sem entrar na sala. Quando o pai voltou para casa, depois de ter saído para fazer algumas compras, não acreditou na história que lhe contaram. E como não acreditava de fato no que haviam lhe dito, olhou para dentro da sala por uma pequena fenda na porta e viu a figura de um homem sentado em uma cadeira.

Quando a família finalmente entrou na sala, Dadaji tinha desaparecido, mas um cigarro queimado pela metade foi deixado sobre a mesa. Era um cigarro da marca preferida de Dadaji.

Veja também

“O Isolador” Um capacete projetado em 1925 para melhorar a produtividade no trabalho

Hugo Gernsback (16 de agosto de 1884 – 19 de agosto de 1967), foi um …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Powered by themekiller.com