Resenha: Canibal Filmes: Os Bastidores da Gorechanchada

Neste mais do que incomum ano de 2020, fomos agraciados com o financiamento coletivo para lançamento do livro que conta tudo sobre os 30 anos da talvez maior produtora de filmes independentes e de baixo orçamento brasileira (vale lembrar que a produtora nunca utilizou dinheiro público em suas produções), a Canibal Filmes, do grande Petter Baiestorf.

Canibal Filmes, os batidores da gorechanchada é uma obra relativamente extensa, com mais de 500 páginas (com tantas histórias para contar não podia deixar de ser assim) e reúne uma enorme quantidade de histórias dos bastidores das produções, compartilhadas por integrantes e ex-integrantes da produtora.

Os primeiros filmes SOVs (Shot On Video) começaram a ser criados ainda na década de 1990, produzidos através de VHS, que na época era o meio mais comum para produções de vídeo. No caso da Canibal, a temática era voltada para o horror e ficção científica. Posteriormente, essa temática foi mudando, mas nunca deixando de lado a transgressão. A Canibal também conseguiu se adaptar as mídias digitais e segue sobrevivendo até os dias atuais.

A leitura é bastante leve e com riqueza de detalhes sobre cada produção realizada, começando com “Lixo Cerebral Vindo de Outro Espaço” (1992) e passando por clássicos como: “O Monstro Legume do Espaço” (1995), “Gore Gore Gays” (1998), o primeiro filme brasileiro de zumbis, “Zombio” (1999) até filmes e curtas mais recentes como “Ándale” (2017), que recebeu vários prêmios como produção experimental. Além dos filmes com produção direta pela Canibal Filmes, há também vários trechos que tratam de filmes produzidos fora da produtora como por exemplo “As Fábulas Negras” (2017), “A Noite do Chupacabras” (2011), de Rodrigo Aragão e “13 Histórias Estranhas” (2015), com histórias que reúnem 13 diretores brasileiros.

Há uma boa quantidade de histórias bizarras e engraçadas que envolvem esses 30 anos de produções e mais de 100 filmes. Confesso que não cheguei a assistir todos os filmes produzidos pela Canibal mas, particularmente passei a ter vontade de iniciar alguma produção de baixo orçamento, tamanho envolvimento que passei a ter com a produtora após a leitura.

Vale cada uma das páginas.

Notas adicionais: Este livro foi concebido com muito esforço e divulgação através de uma campanha de financiamento coletivo via Catarse e existem algumas cópias disponíveis para venda. Vou incluir aqui alguns links para que você possa adquiri-lo se desejar e outros para conhecer mais sobre o Petter e a Canibal Filmes.

Links:
Facebook Canibal Filmes
E-mail
Bandcamp (Músicas dos projetos sonoros do Petter)
YouTube

Veja também

Adrian Carton de Wiart, o homem indestrutível

Conheça a história de Adrian Paul Ghislain Carton de Wiart, um oficial do exército britânico …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *