Home / Civilizações e Culturas / Vimanas, as antigas aeronaves

Vimanas, as antigas aeronaves

Em todo o planeta, mas principalmente em regiões onde existiram civilizações que prosperaram, podem ser encontradas evidências da existência de aeronaves antigas.

A teoria do antigo astronauta tenta explicar a presença de alienígenas no passado do nosso mundo. Essa presença, segundo os teóricos pode ser observada principalmente através de “pistas de pouso” encontradas na Índia, Egito e Mesoamérica. Pictogramas e alguns monumentos megalíticos podem também descrever a interação humana com essas entidades extraterrestres que tinham a habilidade de voar.

Vimana é uma palavra complexa e com diversos significados, que podem variar de um templo ou palácio para até mesmo máquinas voadoras. Em antigos textos indianos, existem dezenas de referências a essas máquinas, que além de voar, também podiam viajar para o espaço e até mesmo embaixo da água.

Em literaturas indianas posteriores e nas descrições dos Vedas, as vimanas eram descritas de várias formas e tamanhos:

Nos Vedas: o Sol e várias outras divindades védicas são transportadas por carros voadores puxados por animais, geralmente cavalos (no caso do deus Pusan, cabras).

O “agnihotra-vimana” possuía dois motores. (Agni significa fogo em sânscrito.)

O “gaja-vimana” possuía mais do que só dois motores. (Gaja significa elefante em sânscrito.)

A palavra vimana vem do sânscrito e sua tradução é algo parecido com “distante“, mas como dito antes, pode ter vários outros significados. Ela também pode ser traduzida como um parte de um templo hindu, uma área de terra separada para fins sagrados, o palácio de um deus, veículos voadores e, até mesmo veículos comuns.

Os antigos textos em sânscrito são cheios de referências a deuses que travaram batalhas no céu usando vimanas com armas extremamente mortais.

Há uma passagem no Ramayana que diz:

A carruagem Pushpaka que se assemelha ao Sol e pertence ao meu irmão foi trazida pelo poderoso Ravana; aquele carro aéreo e excelente indo a todo lugar à vontade … aquele carro parecendo uma nuvem brilhante no céu … e o rei entrou, e o excelente carro ao comando do Raghira subiu para a atmosfera mais alta.

Pushpaka” é o primeiro vimana voador mencionado na mitologia hindu e também é chamado de Pushpaka Vimana. Este veículo tem uma característica particular: “Qualquer que seja o número de pessoas sentadas nele, sempre haverá mais um assento vazio, ou seja, se N pessoas sentarem, haverá (N + 1) assentos“. Isso mostra que, mesmo muito antigamente, as pessoas já se interessavam por voar, e quem sabe até mesmo ter tentado projetar algum veículo voador.

O Mahabharata é uma fonte incrível de informações sobre conflitos entre deuses, que segundo consta, resolveram suas diferenças usando armas tão ou até mais poderosas do que as atuais. Além de “misseis em chamas“, o poema recita outras armas mortais. Uma dessas incríveis armas era o “dardo de Indra“, que funcionava através de um refletor que quando ligado, produzia um raio de luz extremamente potente, e se focado em um alvo, o consumia imediatamente.

Em outra passagem, Krishna está perseguindo seu inimigo, Salva, no céu, e o Vimana de Salva se torna invisível. Sem ficar muito preocupado, Krishna disparou uma arma especial: “Eu rapidamente coloquei uma flecha, que matou ao procurar sons“.

Acredito que a mais poderosa arma descrita no Mahabharata, foi usada contra os Vrishis. A narração diz: “Gurkha voando em seu veloz e poderoso Vimana arremessou contra as três cidades dos Vrishis e Andhakas um único projétil carregado com todo o poder do Universo. Uma coluna incandescente de fumaça e fogo, tão brilhante quanto mil sóis, surgiu. Era a arma desconhecida, o Iron Thunderbolt, um mensageiro gigantesco da morte que reduziu a cinzas toda a raça dos Vrishnis e Andhakas.

Um detalhe aqui é que registros desse tipo não são isolados, relatos parecidos também foram feitos por outras civilizações antigas. Os que sofreram efeitos do Iron Thunderbolt morreram queimados de tal forma que não era possível identificar os corpos. Já os que sobreviveram, acabaram perdendo unhas e cabelos.

Alguns estudiosos acreditam que os relatos do Mahabharata, descrevem uma guerra atômica, já que em vários aspectos mostram uma explosão atômica e os efeitos da radioatividade na população, tais como os vistos em Hiroshima.

Muito interessante também é o fato de existirem vários registros que descrevem como construir um vimana. Um dos exemplos está escrito no Samarangana Sutradhara, a seguir:

O corpo do Vimana deve ser forte e durável, como um grande pássaro voador de material leve. Dentro dele, deve-se colocar o motor de mercúrio com seu aparelho de aquecimento de ferro por baixo. Por meio da potência latente no mercúrio que aciona o turbilhão de propulsão em movimento, um homem sentado no interior pode viajar uma grande distância no céu. Os movimentos do Vimana são tais que podem subir verticalmente, descer verticalmente, mover-se inclinando para frente e para trás. Com a ajuda das máquinas, os seres humanos podem voar seres aéreos e celestes podem descer à terra“.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Powered by themekiller.com