Home / Civilizações e Culturas / Korowai: A tribo de canibais da Papua Nova Guiné

Korowai: A tribo de canibais da Papua Nova Guiné

No oeste de Papua Nova Guiné, existe uma tribo de quase 3.000 pessoas, são os Korowai (ou Kolufo). Até a década de 1970, eles desconheciam a existência de civilizações ocidentais, até que antropólogos os descobriram e começaram a chegar para estudá-los.

Mas o que os estudiosos descobriram a respeito dessa remota tribo?

Construção de casas nas árvores

Os Korowai constroem suas residências em cima de árvores, principalmente com a intenção de se proteger contra ataques de tribos externas.

As casas construídas no alto, também servem para manter a tribo protegida de “espíritos malignos“, que segundo sua crença, se escondem embaixo da copa de árvores e na floresta.

A construção é feita em grandes árvores Banyan ou Wanbom que são a base ou pólos principais. Adicionalmente, os membros da tribo colocam postes menores nos cantos, para dar maior sustentação. Uma vez que os postes são colocados e unidos as árvores, começam a construir o piso, posteriormente erguem as paredes e por fim, constroem o telhado (que é feito de sagueiros).

Depois que a casa é construída, é abençoada com gordura animal, e alguns buracos são feitos no telhado para que os caçadores possam ter visão ampla de tudo ao seu redor.

Famílias inteiras vivem nessas casas nas árvores, algumas delas possuem alojamento separados para homens, mulheres e crianças. Infelizmente o tempo de duração aproximado de uma dessas casas é de mais ou menos 5 anos. Depois disso eles tem que reconstruí-las em outro local e com novos materiais.

Religião

A religião é fundamental para que o povo Korowai funcione, já que suas crenças envolvem uma série de espíritos de demônios e ancestrais. Faz parte comum do dia-a-dia da tribo, homenagear o “espírito do criador” durante todo o dia.

Pelo menos uma vez na vida os Korowai devem participar do “Sago“, uma espécie de festival religioso que celebra fertilidade e prosperidade. São feitos sacrifícios com porcos em homenagem aos seus ancestrais. O habitantes da tribo acreditam que essa cerimônia pode os livrar de problemas e dificuldades.

Canibalismo

Papua Nova Guiné já é conhecida por histórias de canibalismo, muitos ocidentais já ouviram falar a respeito. Parte dos pesquisadores atuais acreditam que esta seja uma das últimas tribos do mundo que ainda faz a prática do canibalismo.

A tribo acredita que maus espíritos, chamados “Khakhuas“, se disfarçam de parentes ou amigos para ganhar a sua confiança e posteriormente matá-los. Geralmente essa morte se dá quando a vítima está dormindo e o Khakhua entra em seu corpo e o come por dentro (substituindo seu interior por cinzas).

Então para livrar o mundo desses maus espíritos, o povo Korowai realiza rituais quando acreditam que uma determinada pessoa possa ser um Khakhua. Eles matam esta pessoa e comem sua carne. Segundo a crença, assim que morre, o Khakhua sussurra o seu nome verdadeiro, com isso, o restante da tribo sabe exatamente qual era o espírito que possuía a pessoa.

Além desses tópicos abordados, sabe-se também que eles são caçadores bastante hábeis, já que sobrevivem com sua cultura ao longo de muitos séculos. Após a descoberta da tribo, as autoridades da região tentam de todas as maneiras encerrar os rituais canibais, mas muitos acreditam que elas continuam acontecendo até hoje.

Veja também

Puma Punku

A cerca de 70km a oeste de La Paz, na Bolívia, no meio da Cordilheira …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Powered by themekiller.com